Menu

Festival Nacional da Cuca em Brusque


Evento já consolidado no calendário da capital da indústria têxtil, não deixe de conhecer o Festival Nacional da Cuca em Brusque.





As raízes germânicas ainda estão presentes em todo o Vale do Itajaí catarinense. Cidades como Brusque, Blumenau e Pomerode, cultivam a essência cultural dos imigrantes que iniciaram a sua civilização. 





A cultura está por todos os lados: arquitetura, idioma, preferências, festas e é claro, na gastronomia.





Pratos como joelho de porco (eisbein), marreco recheado, chucrute e salsichas, estão com frequência na mesa de todas as famílias brusquenses. Estas são opções bastante típicas que ainda estão sendo preservadas pela população.





Mas, além destas opções tradicionais, tem um prato que dispensa comentários e agrada todo mundo que experimenta, sem exceções: a cuca! 





Inclusive, Brusque é considerada a Capital da Cuca durante os dias que promove o Festival Internacional da Cuca. Mas isso tudo, a gente vai te explicar daqui a pouquinho! 





O fato é que esta tradição trazida pelos imigrantes apaixona todos que visitam e moram em Brusque. E quem chega por aqui, não pode deixar de provar um pedacinho ou levar uma cuca para casa. 





Quer conhecer tudo sobre a cuca alemã de Brusque? Fica com a gente e se delicie no melhor da culinária.





Um pedacinho da Alemanha no Brasil





Além de fazer parte da mesorregião do Vale do Itajaí, Brusque também faz parte do Vale Europeu, nome dado turisticamente às cidades que fazem parte do roteiro cultural do velho continente. 





Basicamente, Brusque está situada às margens do rio Itajaí-Mirim, que percorre todo o Vale. 





São cerca de 100 quilômetros da capital do Estado, Florianópolis, num trajeto que normalmente é feito em 1h30min. Uma outra cidade bastante conhecida que fica na vizinhança de Brusque, é Blumenau. 





Blumenau também é um município que traz no coração a história alemã bastante intensa. Cerca de 40 quilômetros separam as duas cidades vizinhas.









Raízes históricas





A história de Brusque começa em 1860, já nos últimos anos do segundo reinado Imperial, no Brasil. 





Foi a partir daí que o então presidente da província, Dr. Francisco Araújo Brusque, recebeu ordem para que começasse a colonização da região





Os primeiros imigrantes que chegaram ao território que se tornaria Brusque, foram 55 colonos alemães, liderados por um austríaco: Barão Von Schneeburg.





E desde então, a pequena colônia alemã de poucas pessoas, foi começando a se multiplicar. 





Toda a influência dos países baixos da Europa influenciaram muito Brusque, trazendo este arcabouço cultural tão rico que molda a cidade até hoje. 





Inclusive, Brusque tornou-se o berço da fiação catarinense, começando a produzir tecidos ainda em 1890. 





Isso, porque a Europa ainda estava vivendo a Revolução Industrial, período que revolucionou a maneira da produção das fábricas, colocando teares mecânicos na linha de produção que, até então, era somente manual. 





Cuca: alimento indispensável na mesa dos brusquenses





festival nacional da cuca em brusque




Muitos dizem que um dos sinônimos de Brusque é cuca. O que pode ser simples  de entender para quem mora na região sul do Brasil e está acostumado a comprar cucas, pode não ser para muita gente do resto do país.





Afinal, o que é uma cuca? 





Também conhecida como streuselkuchen pelos alemães, as cucas são, a grosso modo, uma iguaria feita por farinha, ovos, margarina e recheada com farofa doce. 





As cucas de Brusque são as únicas da região que são feitas em uma forma redonda. Em Blumenau e Pomerode, por exemplo, as cucas já são comercializadas em formatos retangulares.





A cuca tradicional é aquela com recheio de farofa e banana. Mas também há outros sabores mais gourmets como chocolate, doce de leite e goiabada. 





A essência da cuca está na forma como a massa é feita. Mesmo que os ingredientes utilizados na massa da cuca sejam os mesmos utilizados para fazer um bolo, o modo de produzir uma cuca não é nada parecido. A textura e o sabor da massa são extremamente diferentes. 





A cuca chegou na região do Vale do Itajaí junto com os primeiros imigrantes alemães. A receita veio na memória das mulheres que trouxeram este modo de fazer a iguaria. 





Na Alemanha, a cuca tinha um papel importante à mesa. Era uma comida que simbolizava a comunhão, união da família e da comunidade em que se estava inserido. 





Esta característica de ser servida em ocasiões especiais permanece até hoje. Festas, aniversários, celebrações de natal e ano novo nunca ficam sem cuca. 





Festival Nacional da Cuca





festival nacional da cuca em brusque




Desde 2014 acontece em Brusque o Festival Nacional da Cuca. No evento, cada panificadora apresenta duas receitas originais da cuca, que são avaliadas por uma equipe de jurados especialistas. 





O evento ocorre sempre no pavilhão Maria Celina Vidotto Imhof, mesmo local onde acontece, anualmente, a Fenarreco.





O Festival da Cuca premia a “Cuca Nota 10 do Brasil”. Por isso, panificadoras de todo o país se inscrevem e vêm até Brusque, só para participar do festival.





Além da premiação, o Festival também é uma “cucada”. A infinidade de sabores atrai turistas de toda a região para se deliciarem, já que há a comercialização de diversas cucas, com preços promocionais, durante a programação. 





No evento também há aulas com chefs renomados que ensinam as peculiaridades das cucas e oficinas para quem quer aprender na prática como fazer uma cuca em casa. 





Durante a programação, diversas empresas expõem equipamentos para a cozinha de um restaurante, que auxiliam na preparação das cucas. 





Para quem tem bastante fome, todos os dias tem café colonial no Festival da Cuca. Lá, são servidos pães, queijos, salames, copas, linguiças, strudel, frutas e, é claro, cucas.





Curiosidades





A cuca está presente em vários locais do Brasil e do mundo em que houve colonização de alemães. 





No entanto, em cada lugar, o doce é feito de uma forma diferente. O diferencial da massa de Santa Catarina está no uso de fermento biológico, quando em muitos lugares, como no Rio Grande do Sul, é feita com fermento químico. 





O modo em que se assa a cuca também é diferente. Muitos estados utilizam formas para bolo inglês, portanto, parecem um bolo alto. Já, em Brusque, são usadas formas redondas e planas. 





O sabor mais irreverente, mas que também é o mais famoso, é a cuca de linguiça. A combinação traz um gosto bastante peculiar agridoce. Mesmo soando um pouco estranho, é uma cuca deliciosa. 





As cozinheiras mais antigas dizem que o que diferencia uma cuca boa de uma cuca ruim, é a massa, já que o recheio “qualquer um pode fazer”.





Uma cidade para se encantar





Depois de ler e conhecer a riqueza cultural dessa cidade, é impossível não se apaixonar por Brusque. 





Os valores culturais herdados de geração a geração, contribuem para que os hábitos e costumes dos nossos antepassados, nunca fiquem esquecidos. 





Além disso, Brusque dispõe de uma qualidade de vida invejável, inclusive, é uma das cidades menos violentas do Brasil, por isso, também é chamada de Capital da Paz.





Venha conhecer e se deleitar em um passado glorioso em Brusque! Ah, e sem esquecer de aproveitar e comer bastantes cucas! 





Você já provou a cuca de Brusque? Qual sabor é o seu preferido? Deixe sua opinião, aqui nos comentários do artigo!


Fique por dentro das melhores oportunidades

Cadastrando-se na nossa newsletter, você receberá em seu email novidades e
informações essenciais sobre o mercado imobiliário

Fique tranquilo, nós também detestamos spam :)